Bandas de Pífano

Bandas de Pífanos
Por Eduardo Monteiro

Bandas de pífanos, terno de pife, cabaçal e esquenta muié são algumas das denominações atribuídas aos grupos formados por um par de pífanos, uma caixa, e uma zabumba, que em determinadas regiões também por um caixa e pratos; musicam novenas e noitadas Brasil adentro desde que chegaram aqui os primeiros cristãos.

Existem no país de forma regular a partir das missões de catequese aos indígenas, com a interiorização do país e o uso uso da música como instrumento pedagógico e de aproximação entre europeus e nativos – tendo em vista que ambos usavam em sua cultura não só a música como instrumentos de sopro similares aos pífanos modernos. Ao longo do séculos essa miscigenação cultural, ligada sobremaneira a religião e música, foi assimilada e adaptada a cultura dos cativos vindos de países africanos – escravos e libertos – que passaram a habitar o interior do país.

Do litoral ao sertão, a fundação de igrejas em freguesias criava uma demanda por bandas de pífanos, para que completassem as cerimônias religiosas e depois animassem as festas de santos – nesse momento, a depender do povoamento do local, as misturas rítmicas e culturais vem à tona. A depender de quem toca – uma banda de caboclos ou de quilombolas –, as mesmas músicas podem ter sonoridades diferentes, que mostram a pluralidade que compõe a cultura nacional.

Os componentes da banda normalmente são homens do campo, com pouco estudo e muito ouvido – pegam as melodias mimetizando outros tocadores e ouvindo cantos religiosos e elementos do cotidiano (normalmente ligados a lida campesina). Se encontram antes das apresentações para afinar os instrumentos e prepararem o repertório – que invariavelmente parte de músicas religiosas e pode ser incrementado com outros ritmos na hora da festa profana.

Até meados do século 20, o caráter religioso era predominante na maioria das bandas, pois era nas novenas que os músicos tocavam mais vezes e por mais tempo. Nesse contexto, os benditos aos santos, dobrados e valsas de entrada e saída tomavam conta do repertório. Com a apropriação da sonoridade por ícones da música brasileira, como Gilberto Gil, Caetano Veloso, Hermeto Pascoal, Quinteto Armorial, Banda de Pau e Corda e tantos outros e até a confissão de Luiz Gonzaga de que se inspirou diretamente nas bandas de pífanos para destilar seu baião que conquistou o Brasil, provam que elas não ficaram presas ao tempo das caravelas e das novenas rezadas em latim. Reinventaram-se e permearam mansamente a cultura popular ao longo da história.

Hoje em dia há várias formações, motivos e estilos que compõem as bandas de pífano – mesmo sem o par de instrumentos, associando instrumentos de corda ou até eletrônicos; com formações com muito mais que os originais quatro componentes ou corriqueiros seis. No entanto, o que não mudou ao longo dos séculos de existência dessas bandas no Brasil é a capacidade de animar os ouvintes e embalar noites a fio de alegria e devoção.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
    AllEscort